Siga nossas redes sociais

REFLEXÕES SEM COMPROMISSO

Há aquelas horas em que nosso espírito fica à deriva e as imagens, sons, odores e sei lá o quê, provocam sensações que nos remetem a lugares, pessoas ou situações insólitas
30/07/2018

Há aquelas horas em que nosso espírito fica à deriva e as imagens, sons, odores e sei lá o quê, provocam sensações que nos remetem a lugares, pessoas ou situações insólitas.  Este bicho indócil aparece quando a lassidão do momento nos faz baixar a guarda e, lá vai ele saracoteando na direção que bem entende, sem freio nem governo.  Prato cheio  pra psicólogo farejador de pistas, e raso, pra pensabundo com tempo ocioso.  Mas é nesta hora de pilotagem  automática que a semeadura produz o que vamos colher mais adiante; alguns frutos bons ou ruins, outros, por vezes, venenosos.  É filtrando essas impressões que podemos vislumbrar nossa aptidão ao mundo externo.  É a hora do descarte do incômodo e avaliação do aproveitável, com possível decepção quando nos  pilhamos constatando balanço desfavorável.

            Por isso me acautelo quando vou para minha Ilhabela, principalmente naquelas tardes descompromissadas e sonolentas de mar azul e pôr do sol hipnótico.  Nada de soltar as rédeas, mas conduzir e dialogar com o serelepe que,  submisso e balizado, nos brinda com algumas pérolas de valor que jazem serenas lá dentro, à espera.  Por vezes nos surpreendemos com verdadeiros tesouros que nos leva a questionar se é nosso mesmo ou ali foi posto por alguém cuja origem escapa.  Mas não importa, se está lá e nosso, nem que seja por usucapião, e que tome todo o espaço, sem nada deixar para as tranqueiras.

            O tempo acrescenta a experiência que funciona como um up grade   em nossos sofwares pessoais, responsáveis que são pela qualidade de nosso intercâmbio, que nos leva a reagir de maneira idêntica sempre que situações assemelhadas se repetem, detonando comportamentos previsíveis e, por isso mesmo, passíveis de identificação.  Quando acontece, temos oportunidade de tentar uma reformatação em nosso HD emocional através de uma alteração consciente no sistema operacional.  Nele poderão ser afastados esses programinhas chatos, substituídos por outros que não identificam aquela trilha batida que remete a lembranças tristes ou desagradáveis.  Alguns precisam de técnicos especializados para operar a mudança, outros fuçadores se autoqualificam para tanto, em especial aqueles que trazem nas costas algo que se chama maturidade.

            É ali, deitado na areia, desligado do mundo e ouvindo o suave marulho, é que inicio meus protocolos de transmissão de dados para um mundo melhor, mais alegre e harmônico.  Fico de bem com a vida.

            Até a próxima